terça-feira, 26 de maio de 2015

Tasogare Otome x Amnesia

14:00:00 Escrito por Lucas Rodrigues , , , ,
Seikyou realmente é uma escola grande. Nos últimos 60 anos ela sempre esteve em renovação e expansão, e as partes mais velhas estão seladas. Salas de aula foram transformadas em armazéns, escadas não são mais usadas, corredores parecem becos escuros. Lembrar de todos aqueles rumores sobrenaturais estando perdido aqui te deixa nervoso. Quando você finalmente acha que está chegando em algum lugar, dá de cara com uma porta no final de um corredor. Lá dentro, há um grande espelho... Tinha algum boato falando de um espelho, não é?

Tasogare Otome × Amnesia (Dusk Maiden of Amnesia em inglês) é um mangá lançado em 2009, em 10 volumes, escrito e ilustrado por um artista sob o pseudonimo de Maybe. Ele recebeu uma adaptação em anime em 2012, pelo estúdio Silver Link, com 12 episódios e 1 OVA. Esse artigo vai tratar de ambas as obras.

Nota: essa foi a primeira obra “normal” feita por Maybe, que é desenhista de doujinshi e hentai. A obra é permeada por momentos sensuais, embora os personagens nunca cheguem as vias de fato. Mas isso também torna o desenvolvimento uma surpresa agradável.

Embora mangá e anime tenham suas diferenças, ambos tratam da mesma história com os mesmos quatro personagens principais, então a apresentação valerá para ambos.

História

Teiichi Niiya é novo na Escola Partícular Seikyou, um grande complexo escolar com 60 anos de tradição. O lugar é imenso, e o garoto rapidamente se vê perdido entre os corredores dos prédios mais antigos. Vagando em busca de uma saída, algo acaba chamando sua atenção para uma sala no final de um corredor, e ele dá de cara com um grande espelho.

Por ser um local muito grande e antigo, a escola tem diversos boatos sobre ocorrências sobrenaturais. Uma em particular vem à cabeça do garoto, que dizia sobre um espelho e algo que ocorreria ao olhar por cima do ombro na frente dele. Teiichi ouve alguém chamá-lo e dá de cara com uma garota mais velha, de longos cabelos negros e pele branca. A garota se apresenta como Yuuko Kanoe, e se oferece para guiá-lo pelo lugar.


Teiichi acaba descobrindo que Yuuko é a mesma pessoa que vários rumores da escola citam, o fantasma de uma garota que morreu naquele lugar. Também acaba descobrindo que o esqueleto dela está embaixo da sala onde eles se encontraram pela primeira vez, e que ele parece ser a única pessoa que consegue enxergá-la. Juntos, eles acabam formando um clube não-oficial de investigação paranormal, com o objetivo principal de entender mais sobre o passado dela.

Nesse momento, ambas as histórias se dividem aos poucos, e mangá e anime se desenvolve de forma diferente.

Personagens

Teiichi Niiya é novo na escola. Embora seja uma criança, ele não parece temer o sobrenatural, tomando como missão entender o passado de Yuuko para ajudá-la a se lembrar. Em diversos dos mistérios que ele investiga, sua personalidade bondosa se mostra, quando o garoto se esforça para ajudar outras pessoas ou para evitar que toda a má fama caia sobre Yuuko.

Yuuko Kanoe é a fantasma em torno da qual a maior parte das histórias sobrenaturais da escola parece se desenrolar. A princípio, sabemos que ela morreu há cerca de 60 anos e que seu corpo está escondido sob a sala do clube. A garota demonstra grande interesse em Teiichi, já que ele é a única pessoa capaz de enxergá-la da forma como ela realmente é, e o único que consegue tocá-la. Embora sua personalidade atirada e sem pudor possa incomodar de início, existe um motivo de trama para isso ocorrer.

Desde o início da história, o autor deixa claro por meio das atitudes de Teiichi e Yuuko de que eles são um casal, mesmo com a frustração constante do garoto ao ser agarrado.

Kirie Kanoe, como o nome indica, tem parentesco com Yuuko. Ela é neta da atual diretora da escola, e uma das poucas pessoa que pode ver a fantasma o tempo todo. Apesar de se juntar ao clube, ela parece ter fortes problemas com Yuuko por motivos que explicarei mais a frente. É uma garota energética e que tenta parecer legal, mas isso é apenas uma postura que ela usa para esconder seus medos e dúvidas.


Momoe Okonogi dá a impressão de ser uma cabeça oca a primeira vista. Ser a única no clube que não pode ver Yuuko contribui para esse pensamento. Mas a garota é na verdade mais velha que Teiichi (embora o trate como superior), e sua crença no sobrenatural e os boatos que ela reúne acabam por guiar o grupo para diversos mistérios. Durante o desenvolvimento, ela se apaixona por Teiichi, e felizmente o autor usa isso para evoluir a história no lugar de transformá-la em um harém.


A própria escola quase pode ser considerada um personagem. Modificado durante 60 anos, o local transpira mistério, sejam esses os sete mistérios relacionados a Yuuko ou histórias diferentes, ligadas a outros problemas que ocorreram durante tantos anos. Isso é melhor explorado no mangá, que conta com mais casos do clube e um desenvolvimento maior de outros estudantes.

Desenvolvimento

Os próximos trechos vão conter spoilers diretos sobre a história do mangá e anime. Se você pretende assistir, ler ou ambos, recomendo que pule para a conclusão. Do contrário, vem comigo.

Primeiro, é importante dizer que a morte de Yuuko aconteceu da mesma forma e pelo mesmo motivo em ambas as mídias. Entretanto, o anime diminui a importância da avó de Kirie (irmã da fantasma) e cria um laço maior entre Yuuko e Teiichi. Em ambas as versões, Yuuko foi sacrificada para o deus da montanha para aplacar sua “fúria” (uma epidemia que matou muitas pessoas na época que a cidade era pouco mais do que uma vila).

Em ambas as versões, o responsável por escolher quem seria sacrificado era uma figura chamada de Akahito, um sacerdote com o rosto coberto que representa a justiça divina. No anime, Akahito é a avó de Teiichi, Asagi, que grita o nome de Yuuko, sua melhor amiga, por desespero. A personagem não existe no mangá, onde quem toma o papel de Akahito é a irmã de Yuuko, que em um ato de desespero e loucura, escolhe a própria irmã para o sacrifício e passa os 60 anos seguintes se culpando e preservando o prédio onde o corpo da fantasma está como uma tentativa de honrar sua memória.

Como em outras histórias de fantasma, é normal supor que Yuuko ficou presa por seus ressentimentos e assuntos mal resolvidos, coisa que entra em conflito com a personalidade alegre e brincalhona que ela exibe. Sim, ela realmente tem assuntos pendentes, e por isso existe a Sombra, uma representação de todas as lembranças e sentimentos das quais a fantasma tentou se livrar. Distorcida pela raiva, medo e dor, a Sombra é aquilo que a avô de Kirie vê a maior parte do tempo, acreditando que sua irmã se tornou um espírito maligno e que nunca a perdoou por seu ato de loucura. Yuuko, separada em duas entidades totalmente opostas, não consegue o descanso eterno porque é um ser incompleto, que não consegue se aceitar.

Isso leva ao ponto que provavelmente é o meu favorito na obra: embora a maior parte das pessoas não possa ver Yuuko, em condições especiais, como quando elas querem enxergar algo sobrenatural, ou em multidões, ela pode se fazer “física”. Em geral, ela não aparece como é, e sim como as pessoas querem enxergá-la. Os melhores exemplos disso são a casa assombrada, onde ela aparecia como o maior medo da pessoa, e quando Kirie é introduzida na história, afetando a mente de Teiichi com seus medos e fazendo-o enxergar Yuuko como uma figura cadavérica. É provável que existam outras obras que tratem a aparição de fantasmas dessa forma, embora nenhuma que me venha a mente.


Kirie quer proteger sua avó, que sempre teve uma expressão triste. Ela faz isso escondendo seus medos e dúvidas atrás da postura de durona. Por saber que ela é o motivo da infelicidade de sua avó, a garota odiava Yuuko. A relação das duas tem uma melhora pequena depois que ela entra para o clube de investigação paranormal. Sua preocupação com Teiichi e a hostilidade com Yuuko diminuem muito com o tempo, quando ela começa a encarar o fato de que tem certa admiração pela fantasma, e que o garoto é apaixonado pela pessoa que Yuuko é.

A paixão de Momoe por Teiichi também é um momento interessante. Apesar de mais velha, ela respeita muito o garoto. Com o tempo, esse respeito e admiração florescem em um sentimento romântico. O ciúme disso faz Yuuko mudar, com medo de perder a única pessoa que a faz se sentir “viva” depois de tanto tempo. No final, Momoe acaba entendendo que Teiichi é apaixonado pela história da fantasma da escola (o que prova que ela sequer desconfia da condição oculta de seu amigo) e acaba ficando mais determinada em descobrir os sete mistérios ligados a Yuuko.

O último passo do desenvolvimento é quando Yuuko finalmente decide aceitar sua Sombra. Isso acontece de formas diferentes: no anime, Teiichi é tocado pela sombra, vendo todas as lembranças dos dias anteriores a morte dela. Graças a esse conhecimento, ele se torna invisível para a fantasma, que lutava de forma desesperada para negar o sofrimento e ódio da sombra. Ambos se comunicam escrevendo em um caderno até que finalmente consigam superar a crise e se ver novamente.

No mangá, Yuuko decide encarar a Sombra por si mesma. Teiichi fica ao lado dela para ajudá-la a passar pelo pior, e porque ele também quer entender tudo o que aconteceu com ela. A partir disso, somos introduzidos às memórias do ocorrido. A sequência é mais interessante no anime, embora o mangá não seja ruim.

Quando finalmente aceita todos os sentimentos e lembranças, Yuuko está pronta para partir. Embora a cena dela desaparecendo seja mais tocante no anime, o desenvolvimento desse trecho no mangá é superior. Teiichi se torna distante do resto das pessoas, e espalha sutilmente rumores sobre a fantasma, crendo que ela ainda existe naquele mundo, apenas sem forma.

Ambas as obras terminam com o retorno de Yuuko. O mangá ainda tem uma última história, um pequeno epílogo.

Problemas

Embora seja uma obra da qual eu tenha gostado, Dusk Maiden tem seus problemas. Acho que o primeiro e maior deles é o fanservice. Como eu disse, Maybe é um artista de hentai, e embora eu ainda tenha me surpreendido positivamente com a obra, isso gera problemas. Ele tem tendência a sensualizar de mais as personagens femininas, fazer ângulos que mostrem suas calcinhas, abusar da nudez de Yuuko, e tornar os personagens masculinos, além de raros, rasos como um pires.

A falta de personagens masculinos é algo que me incomoda. Embora tenhamos um ou outro amigo de Teiichi aparecendo, nenhum deles é marcante. Mesmo o menino tem uma personalidade extremamente rasa. Ele é uma pessoa carinhosa, pronto para ajudar os outros, mas só isso. Sua calma diante de situações sobrenaturais também parece antinatural para alguém tão jovem.

O modo como as pessoas as vezes perdem o controle também parece antinatural. Tanto a irmã de Yuuko quando a oferece para sacrifício, quanto os alunos no caso de Akihito, fazem você pensar que tipo de sociopatas frequentavam aquela escola. Talvez a montanha seja realmente amaldiçoada de alguma forma.

A idade pode trazer algum incomodo. As vezes os personagens parecem muito maduros para seus 12-15 anos. Fora que se você ignorar que Yuuko é uma fantasma há 60 anos, ainda existe a sexualização de menores de idade na obra (ela tinha 15 anos quando foi morta).

E o aspecto principal que incomoda é o final. Embora eu tenha gostado em parte, ver Yuuko voltando depois de ter finalmente quebrado o ciclo que a prendia e podendo descansar em paz é chato e forçado. Mesmo que ela não desejasse abandonar Teiichi ou a escola, é extremamente triste que seu descanso eterno tenha sido atrasado novamente para que o casal pudesse ter um final feliz.

Além disso, como ela mesma fala no último capítulo do mangá, ele é o único que pode vê-la, e que ninguém jamais daria bençãos de casamento a eles, mas, apesar disso, ele ainda está preso a ela graças ao egoismo de Yuuko. Mesmo que o garoto fique feliz em ter ela de volta, seu primeiro amor, é um final extremamente triste se você parar para pensar um segundo. Talvez o final trágico fosse preferível para a conclusão da história. Um final que, apesar de mais cruel na superfície, seria mais bonito em significado.

Aspectos Técnicos

Vamos começar pelo anime. As músicas são interessantes, embora todos os que acompanhem o blog a mais tempo sabem que eu tenho um ouvido péssimo para trilha sonora. Gosto da abertura, embora ela não seja marcante. A música que realmente se destaca é Requiem, que deixarei linkada.

A arte é simples, porém consistente. O que ganha destaque são os cenários, principalmente em suas cores, e o modo como certas cenas foram feitas. A escolha de associar Yuuko com o céu laranja do entardecer e as folhas de outono foi bem-feita. O primeiro episódio, que repete duas vezes a mesma sequência de cenas, a primeira sem e a segunda com a fantasma aparecendo, realmente me divertiu, embora eu tenha visto reclamações sobre. Por último, durante o flashback que mostra o passado de Yuuko, Teiichi vê e sente as lembranças do ponto de vista da garota, uma decisão que não apenas foi muito legal como torna a ligação e o entendimento dos dois mais profundo e belo na obra.

Dito isso, eu não sou o maior fã da cena em que Yuuko está desaparecendo. Toda a sequência, da piscina até eles sentados no sofá, pode ser bonita, mas ela me incomodou, como se algo ali estivesse um pouco estranho. Nunca descobri exatamente o que era.


Sobre o mangá, a arte de Maybe é bonita, principalmente sua atenção aos detalhes, tanto de personagens quanto de cenários. É fácil reconhecer os personagens que aparecem, e os cenários, principalmente as partes mais velhas da escola, são muito bem-feitas e bonitas de se observar por si só. O traço é suave na maior parte do tempo, mas se torna sujo e grosso em cenas de tensão.

Se houver um ponto para reclamar, são as faces. Algumas vezes personagens se tornam um pouco diferentes durante certos quadros ou expressões. Nada que os torne irreconhecíveis, mas, ainda assim, é perceptível. Além disso, durante algumas páginas de capítulos bem esparsados, parece que o autor entregou o rascunho sem arte final, e ele foi publicado.

Conclusão

Tasogare Otome x Amnesia é uma obra que me agradou. Eu atropelei o anime, assistindo-o em 1 dia, e logo depois li o mangá em outros 2. Tem um ritmo narrativo interessante, a arte é agradável em ambas as obras, mas isso não diminui os erros. Se você gosta de histórias de romance leves, leia ou assista. Não vá esperando grandes mistérios, arcos de personagem complexos ou mesmo o melhor dos finais. No final, ele é uma obra mediana, e merece uma nota: