quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Nickelodeon, Voynich Hotel e Yamada-kun to 7-nin no Majo

14:00:00 Escrito por Lucas Rodrigues , , , , ,
Eu gostei bastante desse formato de matéria, como podem ter notado. O motivo principal disso é que ele me permite trazer para o site animes, mangás e filmes que eu normalmente não resenharia por não terem material o suficiente para escrever uma matéria de tamanho decente. Dessa vez, a temática será de histórias aleatórias e cômicas.

Nickelodeon


É um mangá que compila várias one shots do mangaka Sayman Dowman em 3 volumes com 39 capítulos. As histórias não tem um tema principal, variando de mistério a romance, com alguns toques de horror e comédia aqui e ali. Entre as várias histórias, você tem desde uma garota que se apaixona por um tigre, dois astronautas terraformando um pequeno planeta, uma fantasma fujioshi que começa a assombrar um casal homossexual, e outras bizarrices.

Em cada um dos capítulos, você tem uma história nova. Alguns capítulos começam a fazer ligação ente si, e é fácil supor que todas as histórias acontecem em um mesmo universo. Mas o mangá nunca fecha todas de uma forma coesa, e toda a leitura se torna apenas algumas horas de diversão para um dia meio parado.

É interessante notar o quanto Sayman varia nos temas em cada one shot, indo de histórias aleatórias e cômicas até algumas realmente tocantes, e outras sombrias e com um elemento de horror. O traço cartunesco é bem característico, e mesmo sendo simples, não atrapalha na execução dos tema mais sério ou pesado.


Voynich Hotel


Outro mangá de Sayman Dowman, em 3 volumes com 68 capítulos, contando a história do hotel que dá nome a obra. Acompanhamos a história de diversos hóspedes, trabalhadores do hotel e pessoas que moram nas redondezas, e como a vida delas acaba influenciando umas nas outras. Com essa premissa, ele até poderia parecer um mangá de drama ou mistério, se você já não tivesse lido sobre Nickelodeon logo acima.

Um luchador mascarado, três bruxas que eram moradoras da ilha, um ex-yakuza, um sniper gay, um mangaka procrastinador, três traficantes de drogas, um grupo de crianças, uma assassina serial e um robô inútil da polícia são só alguns dos muitos componentes de uma galeria absurda de personagens que você vai acompanhar. O mangá conta com bons momentos de comédia, dando boas pausas para respirar e desenvolver cada um dos personagens.

Apesar de alguns personagens não serem tão interessantes e informações relevantes serem introduzidas muito no final, o mangá consegue ter um desenvolvimento e desfecho satisfatório para sua história. Entretanto, ele provavelmente poderia se aproveitar de mais uma edição, para que outros detalhes fossem desenvolvidos e para finalizar alguns pontos de uma forma melhor.


Yamada-kun to 7-nin no Majo

Yamada é um delinquente que odeia ir para a escola. Shiraishi é uma das melhores estudantes. Apenas com esses dois personagens, eu já consigo imaginar uma boa quantidade de histórias que poderiam ser contadas, mas Miki Yoshikawa ainda conseguiu me surpreender. Vou tratar do anime que foi ao ar em 2015, contendo 12 episódios e 2 OVA de 30 min cada.

Yamada e Shiraishi descobrem que, ao se beijarem, eles conseguem mudar de corpo um com o outro, e que ainda podem fazer o mesmo com outras pessoas, e acabam se juntando ao clube de pesquisa sobrenatural da escola para entender melhor o que está havendo. Com o tempo, eles acabam descobrindo que não são os únicos com poderes, e que isso acontece na escola há muito tempo.

O que me atraiu para o anime foi a forma calma que ele usa para tratar sexualidade e intimidade. Yamada fica sim envergonhado no começo, mas Shiraishi não demonstra problemas em ter que beijá-lo. Mesmo quando outras duas pessoas entram no grupo, ambos demonstram pouquíssimo problema em beijar pessoas do mesmo sexo. Isso é um sopro de ar fresco em relação a como animes com romance normalmente acontecem, com personagens demorando praticamente toda a série para se beijarem ou sequer se declararem.

Claro, a animação tem seus problemas. A quantidade de fanservice é muito maior nas personagens femininas, e a metade final da história é corrida, deixando muitas coisas em aberto. É uma história bem leve e relativamente boba, embora eu tenha achado divertida o suficiente para acompanhar.